‘Seca verde’ causa prejuízos em 75% das lavouras de milho em Sergipe

0
14

Com a estiagem as perdas da safra são equivalentes à R$ 78 milhões

O número de produtores rurais atingidos com a estiagem só aumenta.  A perda na produção de milho é hoje de 75% no estado de Sergipe e nos municípios do Alto Sertão a perda já de 100%. A Federação da Agricultura e Pecuária de Sergipe (FAESE) já vem adotando algumas medidas para minimizar o prejuízo dos produtores de milho.

Mais de 3 mil produtores estão sendo afetados com a estiagem. Depois da reunião realizada no dia 23 de julho com os produtores, bancos e técnicos agrícolas, alguns municípios decretaram estado de emergência e os produtores estão sendo orientandos a procurar os bancos para realizar o processo de comunicação da perda das lavouras para liberação do seguro Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e das áreas para silagem.

O presidente da Faese, Ivan Sobral, explica que os produtores de milho precisam procurar os bancos para comunicar a perda das lavouras. “Até o momento, aproximadamente 10% produtores procuraram os bancos. Esta ação precisa ser imediata para que o produtor possa ainda aproveitar a área para silagem”, orienta.

Ainda segundo o presidente Ivan Sobral, a Faese está estruturando uma proposta para renegociação das operações de crédito. “Vamos levar esta proposta para o Governo Federal solicitando o parcelamento do saldo dos prejuízos que o seguro não cobriu nas mesmas condições do contrato original”.

Milho

O milho representa a maior área de lavoura do Estado e maior valor bruto de produção. Representa 33% de todas as operações de credito rural no estado, sendo 90% do custeio agrícola. São 3.500 operações com o valor total de R$ 180 milhões por ano.

Segundo a Faese, com a estiagem o prejuízo da safra é equivalente à R$ 78 milhões e R$ 204 milhões deixarão de ser movimentados na economia do Estado, gerando uma frustração de R$ 282 milhões.

Fonte: Ascom Faese

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.