URGENTE: Justiça suspende pensões vitalícias dos ex-governadores João Alves e Antonio Carlos Valadares

0
950

Antonio Carlos Valadares: governou Sergipe por apenas quatro anos

Em decisão adotada no último dia 14 deste mês de fevereiro de 2020 pelo Poder Judiciário do Estado de Sergipe, sob chancela e tutela do juiz Luis Gustavo Serravalle Almeida, da 3ª Vara Cível de Aracaju, foram cassadas as pensões consideradas até então vitalícias dos ex-governadores de Estado João Alves Filho e Antonio Carlos Valadares.

Estes dois ex-homens públicos governaram o Estado de Sergipe por 16 anos – quatro de Antonio Carlos Valadares – de 1987 a 2011 – e 12 de João Alves Filho – de 1983 a 1987, de 1991 a 1994 e de 2003 a 2006. Ou seja, um teve um mandato e ou outro, três de govenardor.

A iniciativa de estancar o benefício pago a esses dois ex-homens públicos foi promovida pelo Ministério Público do Estado de Sergipe através de uma Ação Civil Pública com pedido liminar, que apresentou uma infinidade de argumentos fáticos e jurídicos para banir do horizonte tal privilégio.

Numa peça longa, escrita em mais de 28 mil caracteres – isso equivale a cerca de quatro páginas impressas num jornal tamanho standard -, Luis Gustavo Serravalle Almeida escarafuncha muitas esferas da legislação, de decisões adotadas em outros Estados e não tem dúvida em decidir que deve interditar.

“Sendo assim, pelas razões expostas, defiro o pedido de tutela antecipada formulado na inicial, nos termos do artigo 300 do Código de Processo Civil, para determinar a suspensão dos atos administrativos que concederam pensão especial aos requeridos João Alves Filho e Antonio Carlos Valadares, com a determinação consequente de suspensão imediata dos pagamentos, fixando, desde já, em caso de descumprimento, multa no importe de R$ 2.000,00 (dois mil reais) por dia. Citem-se os requeridos”, escreveu Serravalle Almeida.

João Alves: governou Sergipe por 12 anos, ou três mandatos

No corpo da sua sentença, o juiz sergipano valeu-se de um argumento da ministra do STF, Cármen Lúcia, usado para negar pensão idêntica no Estado do Mato Grosso do Sul. Veja o que escrevera a Cármen. “O que sob o rótulo normativo se apelidou subsídio, subsídio não é. No direito, como se sabe, o nome não transforma a realidade sob a qual ele se encobre. Também não se tem ali uma pensão de graça, como insiste em afirmar a Assembleia Legislativa sul-matogrossense, porque pensão, no sistema jurídico vigente, não se confunde com graça, somente podendo ocorrer nos casos e condições legalmente previstos”, disse a ministra.

A partrir dessa concepção, o juiz Serravalle Almeida conclui um ponto de vista fatal: “Com efeito, não se pode falar em benefício de ordem previdenciária, como desejam os acionados. Ora, tendo sido recolhidas contribuições sobre o indigitado “pagamento estadual singular”, cabe a estes moverem as medidas cabíveis seja para eventual devolução seja para computação de prazo para, aí sim, serem aposentados, como outros cidadãos o fazem. Desta forma, pela ruptura do ordenamento jurídico ante a nova Constituição Federal e a não recepção do art. 155 da CE/1967, com a redação dada pela Emenda nº 11/79, desaparece do mundo jurídico o dispositivo que fundamentou as impugnadas pensões”, escrevera o magistrado.

Na introdução da peça que levou à decisão do Serravalle Almeida, são citados os casos das pensões do ex-governador Albano Franco e da viúva do ex-governador Marcelo Déda, Eliane Aquino. Veja como: “O autor narra que instaurou Inquérito Civil – PROEJ nº 17.19.01.0014 -, para apurar o fato de que o Estado de Sergipe continua pagando subsídio mensal aos ex-governadores Albano do Prado Pimentel Franco, Antonio Carlos Valadares e João Alves Filho, bem como à viúva do ex-governador Marcelo Deda Chagas, Eliane Aquino Custódio, violando, assim, a decisão do Supremo Tribunal Federal emitida na ADI nº 4544/SE, em que fora declarada, por unanimidade, a inconstitucionalidade do art. 263 da Constituição do Estado de Sergipe”.

E cita mais. “Relata que, ao tomar conhecimento da continuidade dos pagamentos, encaminhou ofícios à Secretaria de Estado da Administração, tendo esta, por meio do Ofício nº 412/2019/Sead, informado que, após a mencionada decisão, suspendeu os pagamentos das pensões de Albano do Prado Pimentel Franco, Antonio Carlos Valadares e João Alves Filho, tendo havido recurso de tal ato, resultando na manutenção da suspensão apenas do ex-governador Albano do Prado Pimentel Franco”.

Na desisão final do juiz Luis Gustavo Serravalle Almeida, da 3ª Vara Cível de Aracaju, sobre os casos específicos de Valadares e de João, não há qualquer citação das situações de Albano Franco e de Marcelo Déda/Eliane Aquino – apesar de a peça citar que fora mantida a interdição de Albano.

Jozailto Lima

É jornalista há 36 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.